DESFILE DE ALTA-COSTURA OUTONO-INVERNO DIOR 2021-2022

Sempre com o desejo de destacar o know-how artesanal, Maria Grazia Chiuri , diretora artística da Dior , focou nas técnicas de bordado para esta coleção outono-inverno 2021-2022 de alta costura apresentada no Museu Rodin em Paris.

Às vezes arrastão, às vezes rede ou mesmo feito de lantejoulas, o bordado está disponível em todas as costuras. 

Enquanto desenha nas raízes da casa parisiense, o designer italiano redesenhou peças icônicas da Dior , como o terno Barem um espírito resolutamente retrô com uma paleta de cores neutras sem nunca ser austera, mesclando-se com a icônica estampa houndstooth e vestidos vaporosos com cortinas elegantes, assinatura da casa. 

O destaque do show? O vestido de noiva, verde, ligeiramente transparente e forrado com bordados que lembram a natureza. 

Estamos recuperando os valores da alta-costura após um período de restrições em que as coleções Dior criadas por Maria Grazia Chiuri foram apresentadas principalmente por meio de vídeos.

A materialidade do tecido torna-se forma, enquanto a linguagem subversiva do bordado é expressa em um projeto que se torna uma apresentação. Uma energia que lembra o prazer poético, mesclado com estilo, movimento e atitude. Com pesquisa têxtil, uma série de peças em xadrez, tweed, com texturas e dimensões diferentes em preto e branco apresentam urdidura e tramas com construções inovadoras.

Conheça e assine a Chaprié Collection para um conteúdo extraordinário

A Coleção de Alta-Costura Outono-Inverno 2021-2022 da Dior criada por Maria Grazia Chiuri surge em um contexto singular. O retorno à “presencialidade” implica deslocar a atenção para uma materialidade tátil. Traduzir essa materialidade na era virtual também significa reinterpretar o bordado: não apenas como algo decorativo, mas também como um elemento conectado aos sentidos da visão e do tato.

O livro Threads of Life*, da artista têxtil e curadora Clare Hunter, teve um papel fundamental nesta coleção, pois dá atenção ao valor indispensável da tecelagem e do bordado, dois ofícios que Maria Grazia Chiuri preza como transmissores de memória e gestos de proteção, cuidado e protesto.

A obra Chambre de Soie, da artista francesa Eva Jospin, é o pano de fundo do desfile, com bordados em tamanho natural nas paredes que lembram a Salle aux Broderies de inspiração indiana no Palácio Colonna, em Roma. Esta criação é uma decoração preciosa, por apresentar vestidos com plissados magníficos, caudas e correntes tecidas à mão que compõem padrões no corpo, em cores muito apreciadas por Monsieur Dior, como o azul-claro ou o nude. Não se pode esquecer de um vestido verde com bordados deslumbrantes.

A alta-costura desperta desejos inesperados e revela a existência do que não conhecíamos. Não é esse o papel do avant-garde? Tornar visível o que não se vê. Para definir, por meio da prática artística, os anseios de um mundo em profunda transformação.

*Publicado em 2019 por Scepter, Hodder & Stoughton, no Reino Unido, e por Harry N. Abrams Publishing nos EUA.

Compartilhe nas Redes!

Outras matérias!

Chaprié Collection

Críticas poderosas, cinema, documentários exclusivos & moda. Artigos com a melhor qualidade e melhores recomendações. Assinatura de luxo Chaprié Collection. Tenha acesso a matérias e coleções únicas. Peças escolhidas a dedo pelos melhores profissionais.

Exclusividade e luxo na Chaprié Collection