A história da Bíblia de Thomas Jefferson, sua própria versão dos Evangelhos

Envolvido em sua propriedade na Virgínia, Thomas Jefferson tinha um projeto secreto. Exigia valores iluministas, adesivos biológicos e um canivete. Durante décadas Jefferson, o principal relator da Declaração da Independência, decidiu produzir outro texto: sua própria versão dos Evangelhos.

Jefferson queria retratar um Jesus histórico, não como uma figura divina, mas um professor moral exemplar. Para isso, estudou os Evangelhos assiduamente em inglês, francês, latim e grego. Os versos que ele aceitou ele cortou e colou em papel novo, criando um livro de 84 páginas enfiado usando seda e linho e amarrado em pele de cabra. Ele chamou a obra de A Vida e a Moral de Jesus de Nazaré. Mais tarde ficou conhecida como a Bíblia de Jefferson.

Em A Bíblia de Jefferson: Uma Biografia, Peter Manseau conta a história da tarefa idiossincrática de Jefferson, colocando-a dentro da busca mais ampla da bolsa de estudos pelo Jesus da história. Jefferson esperava conciliar a moralidade cristã com a razão, mas, como mostra Manseau, quando o livro chamou a atenção do público três quartos de século após sua morte, suas escrituras de corte e cola provocaram discussões sobre o significado da democracia americana.

Nascido na nobreza colonial, Jefferson rebelou-se não só contra o rei, mas também contra sua igreja estabelecida. Classicamente educado, ele leu o trabalho de teólogos ingleses dissidentes que desconfiavam da autoridade tradicional, via a razão como um contrapeso à fé e tratava as escrituras como apenas mais um texto antiquário. Como Jefferson aconselhou seu sobrinho: “Leia a Bíblia então, como você leria Livy ou Tácito.” Referindo-se à mensagem central de Jesus como “um sistema de moralidade mais sublime que já caiu dos lábios do homem”, Jefferson tentou tirar o Cristo da história da religião.

Detalhes da página 56 da Bíblia de Jefferson. Museu Nacional Smithsonian de História Americana.

A Bíblia de Jefferson é mais uma seleção de ensinamentos morais do que uma narrativa. Como escreve Manseau: “Ele reordenou as passagens com pouca consideração pela intenção com que foram compostas pela primeira vez.” A motivação de Jefferson era pessoal. Talvez recordando as ferozes controvérsias da eleição presidencial de 1800, em muitos aspectos um referendo sobre sua piedade, ele não tentou publicar suas escrituras redigidas e parece ter se contentado em ler sua Bíblia todas as noites, em particular.

Perdida há décadas, a Bíblia de Jefferson foi descoberta em uma biblioteca privada em 1895. Para uma nação encantada com seus Pais Fundadores, a posse valorizada de Jefferson tornou-se mais do que uma curiosidade da galeria. Na verdade, isso motivou o tipo de conversa que Jefferson gostaria.

Tendo impresso todos os outros trabalhos de Jefferson, o governo dos EUA resolveu publicá-lo. Os defensores viram um projeto piedoso e uma chave para o pensamento jeffersoniano; os críticos a chamavam de “Bíblia emasculada” ou sustentavam que o Estado estava interferindo na preciosa secularidade da nação (pela qual, ironicamente, Jefferson era fortemente responsável). O alvoroço foi tão forte que o congressista que propôs publicar a Bíblia de Jefferson foi forçado a introduzir um novo projeto de lei para bloquear sua publicação.

À medida que o governo baulked, editores privados intervieram – muitas vezes impritando o texto na pressa de levá-lo ao mercado. No século e mais desde então, o livro continuou a se transformar. Algumas edições até reinserem versos que Jefferson excluiu.

A biografia de Manseau é erudita e espirituosa. É uma excelente introdução a um aspecto subestimado do pensamento de Jefferson.

Marcelo Pinheiro
Marcelo Pinheiro
Escritor; entretenimento, moda, tecnologia e crítica. Redator e fundador da Revista Chaprié

Outras Matérias

O caso Ken e Barbie, o casal assassino

VERIFIQUE A CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA. ESTE É UM DOCUMENTÁRIO REAL. A história do casal começa em um hotel em Scarborough, distrito de Toronto, Ontário, no Canadá....

Peaky Blinders: conheça a história real que inspirou a série

Sucesso na Netflix, a 6ª e última temporada de “Peaky Blinders” chegou com tudo, superando até mesmo os novos episódios de “Stranger Things”. O que muitos...

A curiosa: Ilha de Páscoa

Também conhecida como Umbigo do Mundo ou Olhos, esta região chilena é uma pequena ilha vulcânica de apenas 12 Km de largura. A Ilha de...

Caminhão abandonado com corpos de 51 pessoas mortas é encontrado.

Quando a emergência foi chamada, 46 vítimas foram declaradas mortas no local, enquanto outras 16 foram encaminhadas ao hospital.

Virou o MÉQUI 1000: A história do casarão Hannud, Ícone da Av. Paulista

Antes de abrigar a milésima filial da rede de fast-food, o local percorre mais quase 80 anos de história no endereço O casarão que ocupa o...

O desabafo de Billie Eilish sobre vida com síndrome de Tourette: ‘Fico ofendida quando riem’

Billie Eillish disse que viver com a Síndrome de Tourette é "muito cansativo". A cantora de 20 anos foi filmada tendo um tique durante entrevista...

Premium

A assinatura da Chaprié Premium garante-lhe acesso ilimitado a todos os conteúdos da revista. Além disso, pode ainda ler sem limites em todos os seus dispositivos e estar 100% livre de propagandas.

Newsletter

Recentes